Governador Rui Costa foi flagrado aglomerando sem máscara em meio à pandemia da Covid-19?

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), foi flagrado dançando forró, sem máscara, em meio à pandemia da Covid-19? A informação que circula massivamente em grupos de WhatsApp e acompanha um vídeo em que aparece não só o gestor, como também os senadores Otto Alencar (PSD-BA) e Jaques Wagner (PT-BA) é falsa, pois o vídeo em questão é de 2018, antes da pandemia. O texto diz o seguinte: “A TURMA DO FIQUE EM CASA E DA CPI DA CLOROQUINA TODOS SEM MÁSCARAS NO FORRÓ NO FINAL DE SEMANA NA BAHIA”.

Foto: reprodução/WhatsApp

Na gravação Rui Costa está dançando com uma mulher, não identificada, ao som de uma banda de forró. Os demais presentes acompanham cantando.

O governador Rui Costa dançando forró em uma festa na Bahia (Foto: reprodução/YouTube)

Depois de checagem foi possível confirmar que o vídeo foi disponibilizado na internet (especificamente no YouTube) em 2018, portanto, bem antes da pandemia da Covid-19. Diante disso, é possível confirmar que a informação analisada é falsa.

A gravação não contém montagem. De acordo com uma das páginas onde o mesmo foi disponibilizado, as cenas foram registradas na cidade de Irecê-BA.

A COAR alerta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Escrito por: Wanderson Camêlo

VERIFICAMOS: FDA não aprovou uso de hidroxicloroquina em todos pacientes com Covid-19

É comum encontrar conteúdos na internet que informam que agências de regulamentação de medicamentos americanas aprovaram a hidroxicloroquina ou qualquer outro medicamento como 100% eficaz no combate à Covid-19. A COAR recebeu nesta sexta-feira (14), um conteúdo que já havia sido desmentindo por outras agências de fact-checking no mês de abril.

Conteúdo falso e com equívocos de informações

O texto que circula na internet tem a identificação da jornalista, Elisa Robson, que se autodeclara da direita clássica, defensora do liberalismo econômico e conservadora nos valores da família, educação e cultura. No entanto, o conteúdo distorce as informações de que Food and Drug Administration (FDA), órgão regulador de medicamentos nos Estados Unidos, autorizou o uso de hidroxicloroquina para todos os pacientes com Covid-19.

Em publicação no site oficial do órgão, há uma notificação de que no dia 28 de março de 2020, o FDA havia emitido uma Autorização de Uso de Emergência (EUA) para permitir que produtos de sulfato de hidroxicloroquina e fosfato de cloroquina doados ao Estoque Nacional Estratégico(SNS) para ser distribuído e usado para determinados pacientes hospitalizados com COVID-19, ou seja, em estado grave e não para todos os pacientes. Além disso, em junho deste ano, a FDA determinou que a hidroxicloroquina e cloroquina para o tratamento de casos do novo coronavírus não atendem aos critérios legais, pois é improvável que sejam eficazes no tratamento da Covid-19 de acordo com as últimas evidências científicas. A conclusão foi publicada nesta segunda-feira (15) em relatório disponível no site da agência. 

“Estamos particularmente preocupados com o fato de que medicamentos não aprovados que afirmam curar, tratar ou prevenir doenças graves possam fazer com que os consumidores adiem ou interrompam o tratamento médico apropriado, resultando em danos graves ou com risco de vida. Atualmente, não há tratamento aprovado ou medida preventiva para COVID-19. A FDA e a FTC estão monitorando de perto as mídias sociais, o mercado online e os relatórios recebidos de produtos COVID-19 fraudulentos no mercado”, declaração do órgão em site oficial.

É falso também que o CEO da farmacêutica suíça Novartis, Vasant Narasimhan, declarou que tem em mãos o resultado de pesquisas que comprovam a eficácia da cloroquina e da hidroxicloroquina em matar o novo coronavírus. Houve algumas publicações sobre testes que vêm sendo feitos pela empresa no perfil pessoal do CEO. No entanto, não há nada diretamente falando sobre a eficácia da cloroquina e da hidroxicloroquina.

Em seu perfil pessoal, o CEO da Novartis informa que a curto prazo estão tentando reaproveitar os medicamentos existentes para ajudar a tratar COVID ー 19 com testes clínicos rigorosos.

É verdade que a empresa farmacêutica anunciou a doação de 130 milhões de doses do medicamento “para usar protocolos de tratamento padrão para pacientes hospitalizados”. Ainda segundo a companhia, a hidroxicloroquina é administrada como parte de um “regime terapêutico”, no tratamento de pacientes com a Covid-19. Além disso, na mesma publicação, a farmacêutica esclarece que embora os resultados iniciais dos estudos da utilização de hidroxicloroquina (HCQ) em casos de COVID-19 tenham sido promissores, ainda não há nenhum tratamento aprovado disponível.

Uma investigação feita pela agência Lupa e publicada no dia 27 de julho, mostra o mais novo e importante estudo feito no Brasil sobre o uso da hidroxicloroquina no combate ao novo coronavírus. A investigação feita por pesquisadores brasileiros apresenta o estudo no periódico New England Journal of Medicine, que comprova que a droga é ineficaz no tratamento de casos leves e moderados da Covid-19.

Escrito por: Marta Alencar

Referências da COAR:

Novartis

CNN

CEO da Novartis

Lupa

VERIFICAMOS: Brasil não é o segundo maior país com maior número de curados devido protocolo da cloroquina

Desde maio, imagens e textos circulam na internet atribuindo a mudança do protocolo de cloroquina, utilizado pelo Ministério da Saúde, como a responsável pelo Brasil está em segundo lugar com maior número de curados de Covid-19 no mundo. A COAR checou essas informações e verificou que a interpretação atribuída a esses dados é IMPRECISA e explica o porquê.

Imagem circula em várias redes sociais

Vários portais de âmbito nacional divulgaram a informação acima atrelando a questão do uso do protocolo com cloroquina ao número elevado de curados no país: R7.com; ND Mais; Pleno.news; Sbnotícias; Top mídia news; Hcnotícias; Surgiu; Farol da Bahia e Portal do Generoso.

É verdade que o Brasil é o segundo país com maior número de recuperados da Covid-19 com 302.084 curados, segundo dados divulgados nesta segunda-feira (8). O país perde na estatística, apenas para os Estados Unidos. Contudo o dado não é tão animador quanto aparenta. Apesar dos números empolgarem, a realidade é melhor demonstrada, observando o percentual de curados que cada país possui em relação ao Covid-19. A COAR elenca esses resultados e faz um comparativo com os países com maior número de casos no mundo.

Alemanha – 91,2% das pessoas que contraíram o Covid-19 foram curadas (169.549 curados)

Irã – 78,4% das pessoas que contraíram o Covid-19 foram curadas (136.360 curados)

Itália – 70,8% das pessoas que contraíram o Covid-19 foram curadas (166.584 curados)

Espanha – 62,2% das pessoas que contraíram o Covid-19 foram curadas (150.376 curados)

Índia – 48,5% das pessoas que contraíram o Covid-19 foram curadas (124.430 curados)

Rússia – 48,4% das pessoas que contraíram o Covid-19 foram curadas (230.688 curados)

Peru – 44,8% das pessoas que contraíram o Covid-19 foram curadas (89.556 curados)

Brasil – 43,5% das pessoas que contraíram o Covid-19 foram curadas (302.084 curados)

EUA – 26,5% das pessoas que contraíram o Covid-19 foram curadas (529.742 curados)

Reino Unido – Não divulga o número de recuperados.

Como é possível verificar, a lista apresenta que o Brasil, em números absolutos, consta com um bom percentual de pessoas curadas, porém é importante uma análise mais profunda sobre os dados de pessoas infectadas. Conforme dados apresentados, mais da metade dos pacientes que contraíram Covid-19 no país estão doentes ou morreram. Enquanto em países como a Alemanha, mais de 90% dos infectados já estão curados.

Milagre da Cloroquina?

A imagem analisada possui a frase “Após protocolo da Cloroquina, Brasil se torna o segundo país do mundo em curados da Covid-19”. Segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde, até o dia 19 de maio, 106.794* brasileiros haviam sido curados, embora com 271.628 casos confirmados. No dia seguinte, o país mudou o protocolo da cloroquina, onde autorizou o uso do remédio em pacientes nos primeiros estágios da doença. Os dados são estes:

  • Antes da Cloroquina: 271.628 casos confirmados e 106.794 curados (39,3%)*
  • Após o uso da Cloroquina: 694.116 casos confirmados e 302.084 curados (43,5%)

O percentual dos curados após a utilização da cloroquina realmente aumentou. No entanto, há então uma relação direta entre o uso da cloroquina e o número de curados? Para compreendermos melhor se essa relação é válida. Para maiores informações, a COAR consultou o infectologista Dr. Carlos Henrique Nery Costa, que explicou que os dois estudos mais recentes no mundo, apontaram que não havia nenhum efeito da cloroquina no tocante a melhorar a sobrevida e o bem estar dos pacientes quanto ao novo coronavírus.

Se não há uma relação direta, então por que após a mudança no protocolo mais pessoas foram curadas? O Dr. Carlos Henrique Nery Costa explica:

“Primeiro, o Brasil é um dos países que tem mais casos no mundo. Segundo é um dos países que mais usam (a cloroquina) no mundo, com patrocínio da presidência da república. É um país que ousou contrariar as recomendações médicas. Isso explica o porquê de ter tantas pessoas “curadas”, que foram tratadas com a cloroquina no país”, finaliza.

*Número atualizado de acordo com as revisões feitas pelo Ministério da Saúde.

Escrito por: Guilherme Cronemberger, Assislene Carvalho e Marta Alencar

Referências da Coar:

  1. R7
  2. ND Mais
  3. Pleno News
  4. SBT Notícia
  5. Top Mídia
  6. HC Notícia
  7. Surgiu
  8. Farol da Bahia
  9. Portal do Generoso
  10. Ministério da Saúde