Fundação Alimento Solidário está doando cestas básicas e vale-compras de R$ 50 reais?

Desinformações sobre doações de cestas básicas e vale-compras são cada vez mais frequentes e divulgadas em massa nas redes sociais. Uma delas é sobre um ENGANOSO CADASTRO no WhatsApp de cestas básicas e vale-compras da Fundação Alimento Solidário.

O primeiro ponto da desinformação é que não existe Fundação Alimento Solidário e sim Projeto Alimento Solidário, mas promovida pelo Governo de São Paulo e não pelo Governo Federal. Outro ponto da desinformação é que quando o usuário acessa a página, o suposto programa já tem outro nome (Cesta Básica Alimentar) e usa a bandeira do Brasil para manipular e passar a credibilidade de que é promovida pelo Governo Federal, o que não é verdade. O terceiro ponto da desinformação é que o usuário é convidado a preencher o cadastro e em seguida compartilhar o link para mais pessoas. Isso é um cadastro FALSO e promovido por golpistas. Não clique e não compartilhe!

O programa “Alimento Solidário” é uma iniciativa do Governo de São Paulo, por meio do Fundo Social do Estado. A iniciativa repassa cestas de alimentos para que as prefeituras façam a distribuição dos produtos às famílias inscritas do CadÚnico.

O segundo ponto é que o link disponibilizado na mensagem é enganoso, ou seja, criado por golpistas. O link do programa oficial é outro, mas a COAR revela que apenas o Governo de São Paulo promove o programa e que oferta apenas cestas básicas. O Governo de São Paulo não entrega vale-compra de R$ 50 para os inscritos.

A COAR alerta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Escrito por: Marta Alencar

VERIFICAMOS: Vaquinha virtual para ajudar permissionários do Shopping da Cidade após incêndio

Na quarta-feira (12), o presidente dos Permissionários do Shopping da Cidade de Teresina, Péricles Veloso, declarou durante participação na Rádio Pioneira, que uma vaquinha virtual estava sendo promovida para ajudar os vendedores do estabelecimento, mas não estava vinculada ao local e que não tinha autorização para realização da mesma. Diante dessa declaração, a COAR checou a informação e a vaquinha virtual.

Entramos em contato com o administrador da página Rabisco, Dário P. Castro, que informou ter entrado em contato com o presidente do Sindicato, ainda na noite de ontem (12), e terem acertado que farão uma reunião nesta quinta-feira (13) para oficializar a campanha. Mas vamos explicar o que de fato aconteceu para ter causado esse transtorno.

O incêndio no Shopping da Cidade de Teresina na segunda-feira (10), provocou grandes prejuízos financeiros aos vendedores do local. Após o ocorrido, surgiu uma página no Instagram promovendo uma vaquinha online para arrecadar dinheiro e ajudar as vítimas do incidente, por meio de uma parceria com a Associação dos Microempreendedores do Shopping da Cidade (ASMESCI).

A página Rabisco (@rabisco.cartoon), que possui cerca de 15 mil seguidores no Instagram, publicou no dia do ocorrido, o link de uma vaquinha online para ajudar as vítimas do incêndio. Um comentário de uma seguidora em publicação na página questiona a forma de repasse das doações para as vítimas, Dário retrucou: “Através da Associação dos Microempreendedores do Shopping da Cidade (AMESCI)! Com a #theajudo estamos 1) mobilizando ajuda financeira emergencial e 2) pedindo apoio dos setores público e privado para dar todo o suporte necessário aos comerciantes do Shopping da Cidade.”

A página responde comentários de usuários

Em outro comentário onde um seguidor diz que a iniciativa não foi permitida pelas entidades do shopping, a página responde: “Queremos ajudar! A campanha #theajudo é iniciativa da página para conseguir doações e pedir atenção urgente das autoridades. Ajude a gente!”

A página responde comentários de usuários

A página oficial do Shopping da Cidade no Facebook publicou uma nota de esclarecimento sobre a situação. Veja a publicação:

O prefeito da capital, Firmino Filho (PSDB), também comentou a publicação, mas de forma a apoiar a causa independente. Confira:

O prefeito declarou apoio a causa

Em conversa com o administrador da página, Castro informou que tudo não passou de um mal-entendido ou de um ruído de comunicação. Pois diante da publicação na página do Shopping da Cidade no Facebook, ele esclareceu que tentou contato com a administração do próprio Shopping para tratar sobre a vaquinha, mas nunca houve resposta. Veja abaixo:

Nunca havia feito uma campanha. Mas esse caso, em que no meio da pandemia ocorre isso e as pessoas ficam sem saber o que fazer, resolvi que era hora de botar a mão na massa”, declarou Dário.

Dário P. Costa concedendo esclarecimentos à nossa equipe

A vaquinha segue com 47 colaboradores, sendo que 30 já foram contabilizados e doaram R$ 1.620. No entanto, outros 17 doadores registrados por Dário ainda estavam em processamento de auditoria até o fechamento desta matéria. A meta de arrecadação é de R$ 80.000.

Escrito por: Assislene Carvalho

Edição: Marta Alencar

Referências da COAR:

Instagram página Rabisco (@rabisco.cartoon)

Facebook Shopping da Cidade

Agentes da ADH estão distribuindo álcool gel em conjuntos habitacionais de Teresina

Diante dos inúmeros casos de golpistas e ladrões disfarçados de agentes federais ou como funcionários de empresas terceirizadas, a maioria das pessoas fica até com receio de abrir a porta de casa para quem diz apenas que irá entregar um álcool em gel de maneira solidária. Apesar de algumas famílias de Teresina suspeitarem de uma ação de entrega de álcool em gel em conjuntos habitacionais da capital, a COAR confirma que não é um golpe. A verdade é que profissionais da Agência de Desenvolvimento Habitacional do Estado do Piauí (ADH-PI) estão realizando a entrega desse item, além de cestas básicas.

Usuário desconfiou que a distribuição seria um golpe para pegar número de CPF

A COAR entrou em contato com o diretor de Unidade de Habitação da ADH, João Rodrigues Lima Filho, que esclareceu que não é um golpe. Na verdade, é uma ação realizada pela instituição com o apoio de emendas parlamentares.

Iniciamos a distribuição na semana passada para famílias carentes. Estamos doando álcool em gel e cestas básicas, oriundos de emendas parlamentares.

Inclusive no mês de abril, o deputado estadual Evaldo Gomes (Solidariedade) destinou R$ 500 mil de emendas parlamentares, que estão sendo aplicadas na compra de materiais de higiene, entre os quais – álcool em gel – distribuídos através da ADH para as famílias carentes de Teresina, conforme já informado pelo diretor.

O diretor da pasta ainda informou que a partir desta quarta-feira (20) vai ser iniciado a distribuição de cestas básicas junto com o álcool em gel para a população. Serão beneficiados famílias carentes que residem em conjuntos habitacionais construídos pelo Governo Estadual. As famílias contempladas devem possuir renda entre 1 e 2 salários mínimos e membros que trabalhem como autônomos.

QUEM PODE RECEBER AS DOAÇÕES?

Para o recebimento da doação de cestas básicas e álcool em gel, é preciso atender alguns requisitos: ser mãe solteira; idoso; deficiente físico ou ainda possuir um trabalho informal.

Escrito por: Marta Alencar, Naiane Feitosa e Beatriz Mesquita

Jogador do Flamengo não doou R$1 milhão para Hospital em Picos

Atualizada às 18h

Com ampla repercussão do trabalho de reportagem da COAR à respeito do valor doado pelo jogador Rêne Rodrigues do Flamengo, a organização da vaquinha prestou esclarecimentos através de nota:

Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é nota-1-1.jpg
Nota na íntegra
Esta imagem possuí um atributo alt vazio; O nome do arquivo é nota-2.jpg
Nota na íntegra

Entenda o caso

Um página relacionada à torcedores do Flamengo divulgou em seu perfil no Twitter, na tarde de quinta-feira (26), que o lateral direito do time carioca, Renê Rodrigues, teria feito uma doação de R$ 1 milhão, para uma campanha virtual de arrecadação de recursos para o Hospital Regional Justino Luz (HRJL), na cidade de Picos, terra natal do jogador. A informação, no entanto, é FALSA.

Página relacionada ao Flamengo que divulgou a doação do jogador Renê

A COAR apurou a vaquinha virtual, mobilizada pela Loja Maçônica da cidade para a aquisição de equipamentos de proteção individual, necessários à prevenção e cuidados com a proliferação do novo coronavírus (Covid-19). No total, a inciativa pretende arrecadar R$ 100 mil, ou seja, muito menos que a quantia da doação divulgada pela postagem.

Um dos organizadores da iniciativa, o maçom Ítalo Batista confirma que Renê, assim como Rômulo Borges, outro atleta piauiense que atua no Grêmio, colaborou com a ação, mas não com o valor compartilhado por mais de 900 usuários no Twitter. Ele conta que, por conta do boato, muitas pessoas deixaram de contribuir com a campanha, e reforça o pedido de solidariedade.

Até esta sexta-feira (27), a vaquinha virtual já havia arrecadado cerca de R$ 40 mil reais, com a colaboração de 156 apoiadores.

De acordo com os últimos dados divulgados pelo Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde do Piauí (CIEVS-PI), o município de Picos não havia registrado nenhuma notificação de contaminação de Covid-19, mas possuía casos suspeitos sendo monitorados.