COAMOS: Montezuma não obteve nem a metade dos votos que Firmino registrou na última eleição?

O candidato do PSDB a prefeito de Teresina, Kleber Montezuma, obteve apoio necessário para garantir o segundo turno contra o emedebista Doutor Pessoa (MDB). A nova batalha acontece no próximo dia 29.

Foram 110.395 votos do tucano e 142.769 de Pessoa. Ou seja, Kleber não conseguiu nem a metade do sufrágio registrado a favor de Ciro Nogueira (Progressistas) na última eleição para o Senado, assim como afirma mensagem que circula em grupos de WhatsApp.

Votação para prefeito de Teresina 2020 (Foto: reprodução/TSE)

A informação dissipada, no entanto, é imprecisa, já que em outra parte destaca que o candidato tucano também não conseguiu nem a metade dos votos obtidos pelo correligionário Firmino Filho, atual prefeito de Teresina, na última disputa pelo comando do executivo teresinense.

Foto: reprodução/WhatsApp

De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral, Firmino teve o apoio de 220.042 teresinenses em 2016. Em outras palavras, Montezuma obteve 374 votos a mais do que a metade da votação do colega de partido.

Votação para Senador pelo Piauí – 2018

Ciro Nogueira (Progressistas): 897.959

Marcelo Castro (MDB): 812.213

*Os dois foram eleitos.

Votação para prefeito de Teresina – 2016

Firmino Filho (PSDB): 220.042

Doutor Pessoa (PSD): 171.113

* Firmino venceu no primeiro turno.

Votação para prefeito de Teresina – 2020

Kleber Montezuma (PSDB): 110.395 votos

Doutor Pessoa (MDB): 142.769 votos

*O pleito foi para o segundo turno.

Caso você receba mensagens com informações duvidosas, questione e não compartilhe. Entre em contato conosco por meio do WhatsApp: (86) 99517-9773 ou pelo Instagram @coarnoticias.

Escrito por: Wanderson Camêlo

Referências da COAR:

Tribunal Superior Eleitoral

Eleições 2020: Sátiras e paródias marcam disputam acirrada entre candidatos a Prefeitura de Teresina, além de narrativas desinformativas

Parecem apenas brincadeiras, sejam memes, figuras ou vídeos, as sátiras e paródias políticas direcionadas aos candidatos a Prefeitura de Teresina, se tornaram protagonistas da eleição municipal. A maior preocupação da COAR e assim como de todas as iniciativas de fact-checking é alertar os usuários que acreditam em algumas dessas inúmeras sátiras e paródias com narrativas desinformativas.

Conforme os pesquisadores Claire Wardle e Hossein Derakhshan alertam que sátiras e paródias mesmo não tendo nenhuma intenção de causar danos, elas têm potencial para enganar. A razão pela qual a sátira é uma ferramenta tão poderosa na desordem informacional é que muitas vezes as primeiras pessoas a vê-la entendem-na como tal. Porém, à medida que é compartilhada novamente, mais pessoas perdem a conexão com a mensagem original e não conseguem entendê-la como sátira.

Embora algumas das sátiras de Teresina tenham certo teor de veracidade, constatamos entre centenas que monitoramos diariamente nas redes sociais, que elas são também grandes ferramentas para denegrir a imagem de adversários políticos e partidos, inclusive a maioria é abordada com “humor bastante ácido”. Confira algumas das sátiras que constatamos na internet:

Caso você receba mensagens com informações duvidosas, questione e não compartilhe. Entre em contato conosco por meio do WhatsApp: (86) 99517-9773 ou pelo Instagram @coarnoticias.

Escrito por: Marta Alencar

ELEIÇÕES: VERIFICAMOS tabela que destaca divisão dos recursos do Fundo Eleitoral para partidos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou a tabela com a divisão dos recursos do Fundo Eleitoral para 2020, orçado em R$ 2.034.954.823,96. A relação contém o valor atualizado das 33 agremiações hoje existentes e dos recursos disponíveis para as eleições municipais que se avizinham.

Os convidados poderão acompanhar o evento no plenário e em dois auditórios do TSE. Fachada do TSE
O prédio do TSE em Brasília (Foto: reprodução/Agência Brasil)

A planilha mostra o PT no topo do “ranking”. A sigla terá à disposição R$ 201.297.516,62; o PSL vem logo atrás: R$ 199.442.419,81. Os dados foram publicados no dia 17 do último mês de junho no site da Corte eleitoral e destoam dos apresentados em uma relação que circula em grupos de WhatsApp.

A mensagem é visivelmente um ataque à deputada Joice Hasselmann (PSL), ex-colega de partido do atual presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido). Hoje os dois são inimigos declarados. O autor, não identificado, se refere à deputada pela alcunha de Peppa (nome de uma porca protagonista do desenho infantil Peppa Pig), apelido pejorativo usado por alguns opositores para atacar a parlamentar.

“A peppa está so pelo dindin do fundo eleitoral ja que o fundo partidário ja está garantido [sic]”, consta no início do texto, antes da apresentação da relação contento o valor que cada legenda receberia do Fundo Partidário em 2020.

A mensagem vem sendo compartilhada em grupos de WhatsApp (Foto: reprodução)

Depois da análise foi possível confirmar que o valor-geral (R$ 2.034.954.823,96) apresentado na informação está correto, e que o dinheiro realmente já está garantido. Os montantes que terão direito PMN, DC, PCB, PCO, PMB, PRTB, PSTU e UP também batem com os da tabela do TSE, já os demais não estão de acordo com a nova planilha.

Com um recálculo feito pela Corte eleitoral, o PSL, por exemplo, passou a receber R$ 5,7 milhões a mais do Fundo Eleitoral em comparação com a última eleição. Somando o acréscimo ao valor que consta na tabela divulgada em redes sociais – R$ 193.680.822,47, a agremiação seria contemplada com R$ 199.380.822,42, valor menor do que o que consta no sistema do Tribunal Superior Eleitoral.

Ainda é apontado no texto que o Partido Novo abriu mão do fundo que receberia: verdade. A Coar checou, também no site do TSE que, além do Novo, o PRTB preferiu não receber o dinheiro que teria direito.

“Dois partidos comunicaram à Justiça Eleitoral a sua decisão de abrir mão dos recursos do FEFC para financiar as campanhas políticas de seus candidatos a prefeito e vereador: o partido Novo e o Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB) ”, informa o TSE.

A mensagem divulgada nas redes sociais, portanto, apresenta um conteúdo impreciso.

Caso você receba mensagens com informações duvidosas, questione e não compartilhe. Entre em contato conosco por meio do WhatsApp: (86) 99517-9773 ou pelo Instagram @coarnoticias.

Escrito por: Wanderson Camêlo

Edição: Marta Alencar

Referências da Coar:

Tribunal Superior Eleitoral