Fora de contexto: Informação de que atleta Laurel Hubbard conquistou ouro nas Olimpíadas 2020

A atleta transgênero Laurel Hubbard, da Nova Zelândia, ganhou os holofotes durante participação nesta edição das Olimpíadas. Mesmo enfrentando críticas, conseguiu o aval para disputar a competição de levantamento de peso, na categoria acima de 87kg, contra mulheres.

Antes mesmo da participação de Hubbard, surgiram, nas redes sociais, críticas justamente ao fato da atleta competir contra mulheres. Ela ficou de fora da disputa por medalhas, mesmo assim os ataques não pararam.

Uma das publicações, feita através do Facebook, dá a entender que a neozelandesa conquistou o topo do pódio nas Olimpíadas 2020. A parte que chama mais atenção é a imagem das halterofilistas que aparecem ao lado de Laurel, ambas com fisionomia de descontentamento, abrindo brecha para críticas sobre a suposta superioridade da atleta da Nova Zelândia.

O problema é que a informação está fora de contexto. Dá a entender que a neozelandesa foi superior às demais competidoras e levou o ouro no levantamento de peso justamente nas Olimpíadas do Japão, o que não aconteceu, como já destacado acima. “Tony Fox” é o perfil responsável pela publicação (feita no dia 02 de agosto deste ano).

A postagem já foi compartilhada 2,8 mil vezes e conta, atualmente, com mais de 400 comentários, a maioria desses criticando o fato de Laurel Hubbard, por ser transgênero, competir contra mulheres.

A imagem destacada diz respeito aos Jogos do Pacífico de 2019. Na oportunidade, como consta em matéria veiculada pelo Extra (portal de notícias brasileiro) em julho daquele ano, Laurel Hubbard conquistou dois ouros e uma medalha de prata em três categorias de peso-pesado (acima de 90kg).

A COAR ressalta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Escrito por: Wanderson Camêlo


COAMOS: Pesquisa do Instituto Paraná aponta para vitória de Bolsonaro, contra Lula, em todos os estados?

Uma pesquisa de intenção de voto realizada pelo Instituto Paraná Pesquisas aponta para vitória de Jair Bolsonaro em todos os estados, em um possível confronto com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2022, na disputa pela presidência da República? Falso.

No site relativo à empresa não é possível encontrar dados que indicam a execução de aferimentos por estado, como consta na mensagem, compartilhada em grupos de WhatsApp e em outras redes sociais, como o Facebook.

O último levantamento feito pelo instituto foi divulgado no dia 07 deste mês e mostra que o capitão reformado venceria o petista no primeiro turno com uma diferença de apenas 3,4 % dos votos (32,7% contra 29,3). A sondagem foi encomendada pelo grupo Veja.

“[…] o presidente lidera nas quatro simulações de primeiro turno, com porcentuais que variam de 32,7% a 34,5% dos votos, sempre seguido de perto pelo petista. O mesmo contingente — 32,1% — diz que considera o seu governo ótimo ou bom. No segundo turno, ele está à frente dos principais rivais”, destacou a Revista Veja em reportagem publicada no dia 07 deste mês.

Foto: reprodução/Revista Veja

Em âmbito de estado, até o momento a empresa disponibilizou apenas os resultados de pesquisas eleitorais, para simular a disputa entre Bolsonaro e Lula, realizadas na Bahia e no Rio Grande do Sul: de forma individualizada. Os números revelados sobre os dois casos, diga-se de passagem, ajudam a confirmar que o levantamento divulgado nas redes sociais é falso.  

Se dependesse dos gaúchos, o atual presidente brasileiro venceria o pleito no primeiro turno com 30% das intenções de voto, contra 24,9% do ex-presidente. As informações foram retiradas pela nossa reportagem do endereço virtual do Paraná Pesquisas.

Na Bahia o cenário é diferente. Lula levaria a melhor, com 43,3% dos votos válidos, contra 24,6% de Jair Bolsonaro.

Na mensagem checada aqui pela nossa reportagem consta que o atual chefe do executivo brasileiro levaria a melhor com 69,39% de aprovação no Rio Grande do Sul e com 69,62% no estado da Bahia. Confira o conteúdo da mensagem falsa logo abaixo:

Pesquisa realizada hoje!
Paraná pesquisas registrado no TSE:
Bolsonaro Vence hoje em todos os estados, porque o povo quer que ele continue!


Acre: Bolsonaro 74,18 %


Alagoas:Bolsonaro 58,36%


Amapá: Bolsonaro 72,29%


Amazonas: Bolsonaro 66,18%


Bahia: Bolsonaro 69,62%


Ceará: Bolsonaro 67,46%


Distrito federal: Bolsonaro 71,25%


Espírito santo: Bolsonaro 80,70%


Goiás: Bolsonaro 77,25%


Maranhão: Bolsonaro 61,90%


Mato Grosso: Bolsonaro 60,36%


Mato Grosso Sul: Bolsonaro 54,55%


Minas:;Bolsonaro 62,81%


Pará: Bolsonaro 59,67%


Paraíba: Bolsonaro 60,91%
__
Paraná: Bolsonaro 67,88%


Pernambuco: Bolsonaro 68,09%


Piauí: Bolsonaro 65,71%


Rio Janeiro: Bolsonaro 69,72%


Rio Grande Norte:Bolsonaro 76,51%


Rio Grande Sul: Bolsonaro 69,39%


Rondônia Bolsonaro 69,85 %


Roraima: Bolsonaro 60,43%


Santa Catarina: Bolsonaro 82,41%


São Paulo: Bolsonaro 71,47%


Sergipe: Bolsonaro 61,13%


Tocantins: Bolsonaro 61,23%


COMPARTILHE E MOSTRE QUE O POVO CANSOU DE SER BESTA! PORQUÊ O POVO QUER RENOVAÇÃO !Se vc faz parte deste povo, confirme repassando a amigos essa aspiração de alguem honesto sentado na cadeira de presidente de um Brasil renovado ! Faça isso, e não se arrependerá. Tenho certeza.

Essa noticia não vai sair no Estadão, Folha, UOL, Facebook, Instagram, OGLOBO, JB, etc. TVs Globo, Band etc.

A COAR alerta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Alerta sobre golpes envolvendo multas é verdadeiro?

Texto informativo com a marca do Departamento de Trânsito no Rio de Janeiro (Detran-RJ), sobre um suposto golpe envolvendo a aplicação de multas voltou a ser divulgado novamente na internet. O conteúdo vem em formato de alerta e ainda é solicitado a divulgação do texto.

A equipe da COAR se deparou com uma imagem exibindo o texto sendo compartilhada por um perfil no Facebook. O internauta (de Teresina), na legenda, escreve “Fique de olho”.

Foto: reprodução/Facebook

Realmente é necessário ficar atento, porque o conteúdo é falso e circula, pelo menos, desde 2009. A escrita chama atenção de cara. A mensagem é carregada de erros, principalmente no que se refere à pontuação e também à formatação.

Foto: Reprodução/Facebook

Matéria noticiada pelo portal O Tempo no dia 4 de setembro deste ano informa que a mesma mensagem foi usada para passar a ideia de que o golpe inventado estava ocorrendo em Minas Gerais.

Foto: Reprodução

A COAR ainda constatou que centenas de usuários no Facebook divulgaram o conteúdo acreditando ser um golpe.

Usuários compartilham o conteúdo

Em matéria divulgada no portal Correio Braziliense, já fevereiro de 2019, o órgão já negava a autoria do comunicado. A assessoria de comunicação do Detran-RJ nos enviou a seguinte nota:

A informação é falsa e o conteúdo da mensagem não foi divulgado pelo Detran-RJ.

Alguns sites e mensagens por WhatsApp têm utilizado o nome e a identidade visual do Detran.RJ para divulgar notícias falsas e o departamento pede a ajuda da população para que encaminhem denúncias para a nossa ouvidoria ( http://www.detran.rj.gov.br/_monta_aplicacoes.asp?cod=14&tipo=ouvidoria_email ) para que a corregedoria possa investigar.

Pedimos que só confiem nas informações contidas no site do órgão (www.detran.rj.gov.br), nas redes sociais oficiais do departamento ou no Código de Trânsito Brasileiro.

Caso você receba mensagens com informações duvidosas, questione e não compartilhe. Entre em contato conosco por meio do WhatsApp: (86) 99517-9773 ou pelo Instagram @coarnoticias.

Escrito por: Wanderson Camêlo e Marta Alencar

Referências da COAR:

Correio Braziliense

Portal O Tempo

Grupo fechado de Mulheres incestuosas (héteros, bi e lésbicas) no Facebook? Investigação detalhada

Uma leitora da COAR recebeu um vídeo e encaminhou em seguida para a nossa equipe, que retrata duas reportagens: uma sobre um suposto grupo fechado no Facebook chamado “Mulheres incestuosas (héteros, bi e lésbicas)” com centenas de membros e outra a respeito do Projeto de Lei 3.369/2015, que “Institui o Estatuto das Famílias do Século XXI”, do deputado federal Orlando Silva (PCdoB). A questão é que o vídeo divulgado na internet contém distorções de dados de anos anteriores.

A COAR verificou o conteúdo juntamente com o doutorando em Sociologia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), pesquisador do ARIDA (Advanced Research in Database – UFC) e do Laboratório de Estudos sobre Política, Eleições e Mídia (LEPEM-UFC), Pedro Jorge Chaves Mourão. “Esse grupo pode ou não ter existido, mas não houve nenhuma pista que leve a isso. Algumas páginas quando são apagadas deixam rastros. Por exemplo se tem uma página e ela é derrubada, ainda fica indexada no Google, ou seja, fica salva no cache de memória do Google. A narrativa construída no texto é que mães héteros, gays e bi abusam dos filhos. Eles não precisam gerar a prova, por isso eles lançam a dúvida”, ressaltou Pedro.

O Facebook não confirmou se tal grupo existe ou se chegou a existir na rede social. Além disso existem grupos extremistas que fabricam esses conteúdos falsos, principalmente para denegrir as minorias. “Em geral, especulação e factoides em cima disso geram notícias falsas. Independente dessa página ter existido ou não, não encontrei provas e nem testemunhas. O que não impede dela ter de fato que tenha existido, mas o fato da sua existência é pouco provável pela obviedade da necessidade da ocultação do crime. Vale aqui o bom senso e a dúvida. Pois é preciso que a Polícia Civil seja acionada para investigar e saber se de fato a página existiu”, explicou Pedro.

Candidato a vereador de São Paulo divulga o conteúdo, mas não informa a autencidade do mesmo

A COAR conseguiu identificar que a publicação do conteúdo foi criada por um perfil que utiliza a imagem de  um adolescente no aplicativo iFunny, que reúne uma imensa coleção de memes encontrados na internet.

Confere Aí identifica identifica também trechos desinformativos no conteúdo divulgado nas redes sociais

Para o doutorando em Sociologia e acadêmico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Pedro Jorge Chaves Mourão, páginas que replicaram o conteúdo que não apresentam referência sobre as fontes de suas afirmações têm potencial de serem dedicadas a produzir difamação. Além disso, a COAR conseguiu identificar que vários usuários publicaram o vídeo ou a imagem do suposto grupo sem qualquer verificação.

Reportagem da TV Vitoriosa. Reprodução: Youtube (2020)

Quanto às reportagens citadas em vídeo, a primeira não é possível identificar qual veículo publicou. Enquanto a segunda é do dia 20 de agosto de 2018, da TV Vitoriosa, emissora sediada em Ituiutaba, porém concessionada em Uberlândia, ambas cidades do estado de Minas Gerais, que também é filiada ao SBT. Na reportagem, é destacada o projeto de lei do deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), que institui o Estatuto das Famílias do Século 21. No entanto, o vídeo manipulado é divulgado massivamente nas redes sociais com o intuito de deturpar a opinião do público quanto ao texto do PL.

Não é citado em nenhum momento o casamento entre pais e filhos e tampouco o casamento entre mais de duas pessoas no texto do Projeto de Lei. O texto é supérfluo de fato, por isso, muitas pessoas interpretaram que se referia a liberação de casamento incestuoso. Uma verificação do site Boatos consta a informação de que o texto do PL é uma resposta a um projeto criado pelo deputado Anderson Ferreira (PR-PE) em 2013 e aprovado em comissão especial em 2015 que visa instituir que a família é um “núcleo social formado a partir da união entre um homem e uma mulher” ou “por comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes”.

Outra questão a ser observada e esclarecida é que tanto no Código Civil (artigo 1.521) quanto no Código Penal (Decreto-Lei nº 2.848) existem as chamadas situações impeditivas ao casamento:

  • Ascendentes com os descendentes (parentesco natural ou civil); 
  • Afins em linha reta; 
  • O adotante com quem foi cônjuge do adotado e o adotado com quem o foi do adotante; 
  • Os irmãos, unilaterais ou bilaterais, e demais colaterais, até o terceiro grau inclusive; 
  • O adotado com o filho do adotante; 
  • As pessoas casadas; 
  • O cônjuge sobrevivente com o condenado por homicídio ou tentativa de homicídio contra o seu consorte;

Segundo o advogado, Vagner Júnior, os artigos do PL são muito genéricos sobre o tema constituição de família e não citam necessariamente sobre casamento. “O PL se refere a constituir família no sentido de uma unidade familiar, ou seja, duas pessoas, que se reconhecem como parentes, independentes de laços sanguíneos”, declarou.

Ainda de acordo com o advogado, o deputado do PCdoB não poderia fazer alteração no Código Civil por meio do PL, porque uma Lei Ordinária não pode revogar a Constituição. “Mas este não é o primeiro projeto de lei que fala sobre o Estatuto da Família, houveram outros”, pontua o advogado.

O advogado Vagner acrescenta que o PL defende que para ser considerado família basta ter o laço afetivo, mas o projeto é muito vago, infelizmente”,

O texto do Projeto de Lei consta os seguintes artigos:

Art. 1º Esta lei institui o Estatuto das Famílias do Século XXI. Parágrafo único. O Estatuto das Famílias do Século XXI prevê princípios mínimos para a atuação do Poder Público em matéria de relações familiares.

Art. 2º São reconhecidas como famílias todas as formas de união entre duas ou mais pessoas que para este fim se constituam e que se baseiem no amor, na socioafetividade, independentemente de consanguinidade, gênero, orientação sexual, nacionalidade, credo ou raça, incluindo seus filhos ou pessoas que assim sejam consideradas. Parágrafo único. O Poder Público proverá reconhecimento formal e garantirá todos os direitos decorrentes da constituição de famílias na forma definida no caput.

Art. 3º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Deputado desmente em seu perfil do Twitter tais declarações sobre seu Projeto de Lei

Além disso, o deputado federal Orlando Silva (PCdoB) publicou um Twitter no dia 19 de agosto de 2019, onde criticava a divulgação de inúmeras informações deturpadas e equivocadas nas redes sociais sobre o projeto de lei.

Escrito por: Marta Alencar

Referências da COAR:

Twitter do deputado Orlando Silva

E-farsas

Câmara dos Deputados

TV Vitoriosa

Boatos

Ipê roxo é 10 mil vezes mais potente que a quimioterapia no tratamento do câncer?

Um vídeo postado no perfil do compositor José Coelho no Facebook informa que Ipê roxo (Pau D’arco mais conhecido no Nordeste) é 10 mil vezes mais potente que a quimioterapia para o tratamento do câncer. O vídeo foi compartilhado em vários grupos de WhatsApp e em outras redes sociais. Ao ver o vídeo, a COAR fez uma análise das fontes citadas e informa o porquê da informação ser falsa.

Ipês roxos. Foto: (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O autor do vídeo declara o seguinte: “Segundo algumas pesquisas, entre elas do Dr. Jaime Bruning e de outros médicos no Youtube, o ipê roxo é dez vezes mil mais potente do que a quimioterapia no tratamento do câncer. Só que não é ela só. Ela tem que ser ingerida junto com a folha da graviola”. Em seguida, o autor informa os procedimentos da suposta receita de chá, sem qualquer comprovação científica.

Primeiramente, qual é o potencial medicinal do ipê roxo? O pau-d’arco, que é parte da casca do ipê, concentra certas propriedades medicinais da planta. No entanto, o oncologista Cláudio Rocha explica que não há nenhum estudo científico que comprove a eficácia do ipê roxo para cura de câncer ou que ele seja 10 mil vezes mais eficaz que a quimioterapia. O especialista ainda alerta que as pessoas não devem abandonar tratamentos ou seguir receitas na internet sem antes consultar seu médico.

Quem é Jaime Bruning?

Com 178 mil inscritos no Youtube, o autointitulado terapeuta naturista Jaime Bruning não é médico e é autor de diversos livros. Ele já divulgou conteúdos falsos sobre doenças como dengue e febre amarela.

Em fevereiro, o terapeuta holístico foi acusado de disseminar informações falsas sobre a eficácia e os efeitos de vacinas. Ele foi convocado pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito que investiga notícias falsas e assédio nas redes sociais (CPI Mista das Fake News) para dar um depoimento, já que faz parte do movimento antivacinação no país.

COAR alerta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram(@coarnoticias).

Escrito por: Marta Alencar

Referências da COAR:

Folha

Agência Senado

Perfil do José Coelho

WhatsApp vai sair do Brasil?

A COAR verificou a imagem abaixo, onde é afirmado que, se o projeto de lei 2630 (o chamado PL das fake news) for aprovado, redes sociais como Facebook, Whatsapp e Twitter terão que sair do Brasil. Tal afirmação é falsa.

A COAR não faz serviço de futurologia, logo não pode dar seu parecer se tais redes sociais irão ou não sair do Brasil caso o projeto de lei seja aprovado (já passou pelo crivo do Senado esta semana). Para concluirmos que o conteúdo é falso, verificamos a mensagem, e foi possível constatar se algum diretor do WhatsApp havia dito algo similar. Durante o processo de checagem, alguns problemas na mensagem foram identificados, são eles:

1. Falta de especificação sobre qual diretor: A mensagem é pouco clara ao dizer apenas “diretor”, qual especificamente? O WhatsApp é uma empresa enorme que tem seus serviços espalhados pelo mundo todo, tendo assim vários diretores para diferentes setores. Estaria ela se referindo a Pablo Bello, diretor de Políticas Públicas do WhatsApp para a América Latina? Ele foi o único diretor da empresa que recentemente veio a público falar sobre o projeto de lei.

A COAR buscou, na internet, por palavras-chave que poderiam ligar Pablo a alguma fala sobre uma possível saída do aplicativo de mensagem do país, caso o PL seja aprovado, porém, nada relacionado a isso foi encontrado. Nas últimas semanas ele concedeu entrevistas a alguns veículos de imprensa, como o Estadão e a Folha de São Paulo, que estão buscando saber opinião das partes que serão diretamente afetadas caso o Projeto de Lei das Fake News passe pelo crivo do Congresso. No pronunciamento dado aos dois jornais citados, por exemplo, o diretor apenas criticou o projeto de lei e apontou outras formas melhores (na visão dele) para combater as Fake News.

2. Erros na escrita: Escrever WhatsApp corretamente pode não ser tão simples e na pressa errar uma vez é compreensível, no entanto, a mensagem erra o nome da empresa em duas oportunidades colocando um “S” a mais e um “P” a menos. Uma dica valiosa da COAR é: fique de olho nos erros de português nas mensagens que receber, desinformações possuem uma tendência maior a terem tais erros.

3. Facebook, WhatsApp e Twitter?: Um diretor do WhatsApp até poderia saber informações privilegiadas sobre o Facebook e/ou Instagram, afinal eles possuem um mesmo dono. Entretanto um diretor do WhatsApp não pode falar em nome do Twitter pois ele (Twitter) não possui nenhum vínculo com estas outras três. 

Além desses pontos, a COAR ainda verificou as redes sociais do tal Robô News 38 para saber se a mensagem estava sendo veiculada a essa marca falsamente. Contudo, a conta Robô News 38 realmente é a responsável pela publicação, tendo postado no Instagram a imagem com a legenda “Não vamos deixar esses vermes transformarem o nosso Brasil numa Coreia do Norte”, como você pode verificar no print abaixo:

A publicação foi compartilhada no Instagram “Robô News 38”

COAR alerta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não compartilhe antes de ter certeza de que ela é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Escrito por: Guilherme Cronemberger

Edição: Wanderson Camêlo

Referências da COAR:

  1. Site Estadão
  2. Site Folha de São Paulo
  3. Site Senado Notícias