VERIFICAMOS: Vaquinha virtual para ajudar permissionários do Shopping da Cidade após incêndio

Na quarta-feira (12), o presidente dos Permissionários do Shopping da Cidade de Teresina, Péricles Veloso, declarou durante participação na Rádio Pioneira, que uma vaquinha virtual estava sendo promovida para ajudar os vendedores do estabelecimento, mas não estava vinculada ao local e que não tinha autorização para realização da mesma. Diante dessa declaração, a COAR checou a informação e a vaquinha virtual.

Entramos em contato com o administrador da página Rabisco, Dário P. Castro, que informou ter entrado em contato com o presidente do Sindicato, ainda na noite de ontem (12), e terem acertado que farão uma reunião nesta quinta-feira (13) para oficializar a campanha. Mas vamos explicar o que de fato aconteceu para ter causado esse transtorno.

O incêndio no Shopping da Cidade de Teresina na segunda-feira (10), provocou grandes prejuízos financeiros aos vendedores do local. Após o ocorrido, surgiu uma página no Instagram promovendo uma vaquinha online para arrecadar dinheiro e ajudar as vítimas do incidente, por meio de uma parceria com a Associação dos Microempreendedores do Shopping da Cidade (ASMESCI).

A página Rabisco (@rabisco.cartoon), que possui cerca de 15 mil seguidores no Instagram, publicou no dia do ocorrido, o link de uma vaquinha online para ajudar as vítimas do incêndio. Um comentário de uma seguidora em publicação na página questiona a forma de repasse das doações para as vítimas, Dário retrucou: “Através da Associação dos Microempreendedores do Shopping da Cidade (AMESCI)! Com a #theajudo estamos 1) mobilizando ajuda financeira emergencial e 2) pedindo apoio dos setores público e privado para dar todo o suporte necessário aos comerciantes do Shopping da Cidade.”

A página responde comentários de usuários

Em outro comentário onde um seguidor diz que a iniciativa não foi permitida pelas entidades do shopping, a página responde: “Queremos ajudar! A campanha #theajudo é iniciativa da página para conseguir doações e pedir atenção urgente das autoridades. Ajude a gente!”

A página responde comentários de usuários

A página oficial do Shopping da Cidade no Facebook publicou uma nota de esclarecimento sobre a situação. Veja a publicação:

O prefeito da capital, Firmino Filho (PSDB), também comentou a publicação, mas de forma a apoiar a causa independente. Confira:

O prefeito declarou apoio a causa

Em conversa com o administrador da página, Castro informou que tudo não passou de um mal-entendido ou de um ruído de comunicação. Pois diante da publicação na página do Shopping da Cidade no Facebook, ele esclareceu que tentou contato com a administração do próprio Shopping para tratar sobre a vaquinha, mas nunca houve resposta. Veja abaixo:

Nunca havia feito uma campanha. Mas esse caso, em que no meio da pandemia ocorre isso e as pessoas ficam sem saber o que fazer, resolvi que era hora de botar a mão na massa”, declarou Dário.

Dário P. Costa concedendo esclarecimentos à nossa equipe

A vaquinha segue com 47 colaboradores, sendo que 30 já foram contabilizados e doaram R$ 1.620. No entanto, outros 17 doadores registrados por Dário ainda estavam em processamento de auditoria até o fechamento desta matéria. A meta de arrecadação é de R$ 80.000.

Escrito por: Assislene Carvalho

Edição: Marta Alencar

Referências da COAR:

Instagram página Rabisco (@rabisco.cartoon)

Facebook Shopping da Cidade

VÍDEO: Ibama coloca fogo em mata do Maranhão para culpar Bolsonaro?

Um leitor da COAR enviou um vídeo de fiscais do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) colocando fogo em mata do Maranhão (margens da MA-280 no perímetro que compreende o Território Indígena do povo KRIKATI). O leitor, em dúvida, questionou a autenticidade do conteúdo. A COAR verificou o mesmo e explica o porquê é falsa a acusação pronunciada pelo motorista (autor do vídeo) – não identificado -, de que os fiscais do Ibama colocaram fogo para culpar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Primeiro, a COAR constatou que várias iniciativas de fact-checking no país já haviam checado o conteúdo. Em seguida, a nossa equipe avaliou o conteúdo do vídeo, que de fato mostra fiscais do Ibama realizando uma ação de queima na região citada. No entanto, as queimas (junho-julho) nessa época, são promovidas de forma controlada, para diminuir drasticamente o risco de grandes incêndios florestais.

Segundo, a COAR esclarece que o vídeo foi e continua sendo compartilhado massivamente em grupos de WhatsApp, Facebook e outras redes sociais desde junho deste ano. A COAR encontrou centenas de páginas e perfis distribuindo o vídeo, além de milhares de compartilhamentos.

O Relatório nº 7822189/2020 (citado aqui pelo Aos Fatos) e emitido pelo órgão, esclarece que a ação exibida no vídeo faz parte de um Plano de Queima Prescrita (PQP), previsto em lei e que elimina a vegetação na beira da estrada justamente para evitar incêndios florestais. Ou seja, a ação promovida pelo Ibama não teve a intenção de forma alguma de culpar o governo atual conforme retratado pelo autor do vídeo.

Vídeos compartilhados no Youtube sem qualquer verificação

A COAR ressalta que a ação realizada é uma queima prescrita, prevista no Código Florestal (art. 38 da Lei 12.651/12). Em seu perfil pessoal, o analista ambiental Wallace Lopes, comentou a ação para esclarecer o ocorrido:

Declaração do analista ambiental no Facebook

Convém acrescentar que o relatório do órgão (em matéria do Aos Fatos) informa que toda a operação durou cinco horas, tendo iniciado às 9h e finalizado às 14h, no dia 20 de junho deste ano.

O Fato ou Fake do G1, Aos Fatos, Boatos, Uol e Estadão Verifica desmentiram o boato.

Escrito por: Marta Alencar

Referências da COAR:

Ibama

Planalto

Perfil do analista ambiental Wallace Lopes