COAMOS: Montezuma não obteve nem a metade dos votos que Firmino registrou na última eleição?

O candidato do PSDB a prefeito de Teresina, Kleber Montezuma, obteve apoio necessário para garantir o segundo turno contra o emedebista Doutor Pessoa (MDB). A nova batalha acontece no próximo dia 29.

Foram 110.395 votos do tucano e 142.769 de Pessoa. Ou seja, Kleber não conseguiu nem a metade do sufrágio registrado a favor de Ciro Nogueira (Progressistas) na última eleição para o Senado, assim como afirma mensagem que circula em grupos de WhatsApp.

Votação para prefeito de Teresina 2020 (Foto: reprodução/TSE)

A informação dissipada, no entanto, é imprecisa, já que em outra parte destaca que o candidato tucano também não conseguiu nem a metade dos votos obtidos pelo correligionário Firmino Filho, atual prefeito de Teresina, na última disputa pelo comando do executivo teresinense.

Foto: reprodução/WhatsApp

De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral, Firmino teve o apoio de 220.042 teresinenses em 2016. Em outras palavras, Montezuma obteve 374 votos a mais do que a metade da votação do colega de partido.

Votação para Senador pelo Piauí – 2018

Ciro Nogueira (Progressistas): 897.959

Marcelo Castro (MDB): 812.213

*Os dois foram eleitos.

Votação para prefeito de Teresina – 2016

Firmino Filho (PSDB): 220.042

Doutor Pessoa (PSD): 171.113

* Firmino venceu no primeiro turno.

Votação para prefeito de Teresina – 2020

Kleber Montezuma (PSDB): 110.395 votos

Doutor Pessoa (MDB): 142.769 votos

*O pleito foi para o segundo turno.

Caso você receba mensagens com informações duvidosas, questione e não compartilhe. Entre em contato conosco por meio do WhatsApp: (86) 99517-9773 ou pelo Instagram @coarnoticias.

Escrito por: Wanderson Camêlo

Referências da COAR:

Tribunal Superior Eleitoral

Condutores de veículos terão que pagar R$ 2 para passar pela Ponte Metálica entre Teresina e Timon? COAMOS documento citado

A imagem de um suposto ofício assinado pelo prefeito Firmino Filho e encaminhado à Procuradoria Geral do Município chegou como uma enxurrada por aplicativos de mensagens e redes sociais. A COAR conferiu e destaca que as únicas publicações referentes ao assunto são datadas do dia 11 de novembro deste ano, em sites piauienses de notícias, desmentindo as informações. As reportagens trazem a argumentação da Procuradoria Geral do Município e, em algumas delas, a imagem do suposto documento disseminado pelas redes sociais. No entanto, além da divergência da data, o outro ponto destacado pela COAR é que o artigo citado da Lei 4.995 de 7 de abril de 2017 no documento falso não confere com a Lei de fato.

Os ofícios são documentos de circulação interna, sem acesso público. A COAR solicitou o ofício de nº 037 enviado pelo gabinete do prefeito Firmino à PGM. O documento é datado de 14 de fevereiro de 2020 e não de 22 de junho de 2020 como consta na imagem divulgada pelas redes sociais e aplicativos de mensagens.

O artigo de lei citado não confere com o documento falso, o que demonstra sua falsidade

O assunto e o remetente do ofício também não conferem. O documento é direcionado ao então presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Piauí, desembargador Francisco Antônio Paes Landim Filho, informando-o sobre a autorização da renovação da requisição de um servidor público do TRE-PI (o qual não divulgaremos o nome por não ter qualquer relação com o conteúdo questionado) e não ao Procurador Geral do Município, Raimundo Eugênio Barbosa dos Santos Rocha, consultando-o  sobre a viabilidade de um Projeto de Lei que estipule pedágio na passagem entre os municípios de Teresina e Timon pela ponte João Luís Ferreira, mais conhecida como Ponte Metálica.

A COAR ocultou o nome do servidor a pedido do mesmo. Foto: Ofício original nº 037/2020

Além disso, outro ponto que a COAR destaca é que geralmente documentos copiados ou fotocópias com assinaturas forjadas são utilizados erroneamente para manipular a opinião das pessoas.

Documento é falso

À COAR, o procurador Raimundo Eugênio Barbosa dos Santos Rocha disse que o documento é uma fraude e informou que iria oferecer denúncia nessa quarta-feira (11) à Delegacia de Crimes de Informática para apurar de onde partiu a falsa informação.

Escrito por: Gorete Santos

Edição: Marta Alencar

Referências da COAR:

Site da Prefeitura de Teresina

Cidadeverde.com

Parlamentopiaui.com.br

Politicadinamica.com

ELEIÇÃO: Pré-candidato Kleber Montezuma planeja implantar “kit Gay” nas escolas de Teresina?

Na corrida pelo pleito eleitoral, boatos, críticas, acusações e fake news são frequentes entre os candidatos. É por esse motivo que a COAR resolveu checar vídeos e textos que alertam sobre o pré-candidato a prefeito de Teresina, Kleber Montezuma (PSDB) querer implantar o “kit gay” nas unidades de ensino da capital. Um dos vídeos foi feito pelo publicitário Aluisio Rebelo Costa.

No vídeo, Aluisio alega que o parlamentar “é uma ameaça às famílias de bem da capital” e que Montezuma “tentou uma manobra quando era secretário de educação, mas por causa de pressões feitas por influentes segmentos das Igrejas não obteve êxito”. Além de chamá-lo de outros nomes pejorativos.

Publicado no perfil pessoal do publicitário


Não há provas que confirme o que foi dito pelo empresário. Todas as redes sociais do pré-candidato Montezuma foram checadas por nossa equipe. Instagram, Facebook e Twitter não têm publicações relacionadas a chamado “Kit Gay” ou algo parecido. O pré-candidato ainda não lançou plano de governo para Teresina, por isso não é possível saber quais são exatamente suas propostas futuras para as escolas municipais.

A COAR ainda fez outras análises, mas não encontrou nenhuma declaração feita por Montezuma sobre a implementação do dito programa, nem mesmo durante o período em que estava à frente da Secretária de Educação de Teresina (Semec). Ao verificar publicações e declarações do pré-candidato em 2019 e 2020, é possível observar que Kleber Montezuma fez especificações referentes à educação, mas não menciona implementação do “Kit Gay”.

Até o momento Kleber Montezuma não se posicionou sobre o ocorrido nas redes sociais.

Convém acrescentar que o site Carta Piauí fez uma matéria sobre a declaração do publicitário.

Kit Gay

Na verdade, o “kit gay” tem outro título, projeto Escola Sem Homofobia, produzido em 2011 por organizações de defesa da população LGBT em convênio com o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) do Ministério da Educação, à época sob gestão de Fernando Haddad. No entanto, o projeto Escola Sem Homofobia não chegou às escolas públicas brasileiras, tendo sido vetado pela então presidente Dilma Rousseff (PT) após pressão da Frente Parlamentar Evangélica na Câmara dos Deputados, conforme apuração do Aos Fatos.

Esse kit era composto por um caderno, uma série de seis boletins, cartaz, cartas de apresentação para os gestores e educadores, além de três vídeos. Ele chegou a fazer parte do Programa Brasil sem Homofobia, porém não foi colocado em prática.

Contextualização

Em 2016, a Prefeitura de Teresina chegou a produzir um projeto voltado ao público LGBT+, mas por meio da Secretaria de Assistência Social. Na proposta do projeto, que não chegou a ser implementado, não consta o nome da Secretaria Municipal de Educação e nem do então gestor da pasta, Kleber Montezuma. O projeto foi intitulado “Plano Municipal de promoção da cidadania e direitos humanos de LGBT” e diz respeito à realização de projetos, campanhas, além do oferecimento de materiais a serem distribuídos em ambientes escolares para debater os assuntos que abarcam o público LGBT+. Confira o arquivo.

Perfil do publicitário

O empresário Aluisio Rebelo é ex-candidato a Deputado Estadual no Piauí pelo PROS- Partido Republicano  na coligação Piauí Acima de Tudo, em 2018. Nesse período obteve 1.308 votos totalizados (0,07% dos votos válidos), mas não foi eleito. O empresário que possui 4.791 seguidores no Facebook.

Caso você receba mensagens com informações duvidosas, questione e não compartilhe. Entre em contato conosco por meio do WhatsApp: (86) 99517-9773 ou pelo Instagram @coarnoticias.

Escrito por: Naiane Feitosa, Maria Luísa Araújo e Marta Alencar

Edição: Marta Alencar

Colaboração: Kryssyno Oliveira

Referências da COAR:

Vídeo de Aluisio Rebelo Costa

Gazeta do Povo sobre candidato Aluísio Rebêlo

Congresso em Foco