COAMOS: Hospital é construído em 35 dias em São José dos Campos?

Recentemente a COAR recebeu uma mensagem que parabeniza a cidade de São José dos Campos (SP) pela construção de um hospital em 35 dias. Analisamos o conteúdo recebido para saber a veracidade das informações, confira.

Reprodução/WhatsApp

A mensagem acima é verdadeira, a COAR investigou que a unidade citada é o hospital retaguarda (pronto-socorro) construído pela prefeitura de São José dos Campos (SP) em 35 dias no ano passado. A expectativa era de que a unidade ficasse pronta em 45 dias, mas as obras foram concluídas antes do prazo. 

O hospital, assim como frisa a mensagem, não é de campanha, tanto que a prefeitura municipal de São José dos Campos optou em fazer com que a unidade não fosse destinada para pessoas com Covid-19.

A obra custou cerca de R$ 12,9 milhões, sendo R$ R$ 4,5 milhões da prefeitura da cidade e R$ 8,4 por entidades privadas, sendo 3,1 mil metros quadrados, com 1,5 mil metros de área construída.

Hospital de Campanha do Pacaembu

A mensagem ainda compara os gastos financeiros com o do hospital de campanha do Pacaembu, em São Paulo. Fechado no dia 29 de junho do ano passado, após a queda no número de internações por Covid-19, o hospital encerrou as atividades com um custo de R$ 23 milhões.

Com 200 leitos para atendimento ao novo coronavírus, durante o período de funcionamento, o local recebeu cerca 1.500 pacientes com a Covid-19. Além disso, os equipamentos utilizados no hospital tinham um custo de R$ 7 milhões que foram transferidos para outros hospitais da região.

A COAR ressalta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Escrito por: Kryssyno Oliveira

Auxílio Merenda em Casa é do Governo de São Paulo. Cadastro com link enganoso é espalhado em grupos de WhatsApp

É verdade, sim, que existe o Programa Merenda em Casa, mas não é promovido pelo Governo Federal e sim pelo Governo de São Paulo. No entanto, falsos cadastros estão sendo feitos por golpistas com links enganosos semelhante ao que que foi verificado por nossa equipe.

O primeiro ponto é a linguagem coloquial no texto e com erros de ortografia. Segundo ponto, o link informado na mensagem não corresponde ao oficial do Programa do Governo de São Paulo. O link verdadeiro é https://merendaemcasa.educacao.sp.gov.br/. Outra informação mentirosa na mensagem é que o auxílio varia de R$ 55 a R$ 120 reais. De acordo com o Governo de São Paulo, as famílias elegíveis ao benefício receberão R$ 55,00 (cinquenta e cinco) por mês por aluno matriculado na rede estadual de ensino.

Mensagem com link falso

 O Programa é uma medida emergencial e temporária para garantir a alimentação dos alunos enquanto estiverem em suas casas por conta da suspensão das atividades presenciais. É voltado aos estudantes da rede estadual de São Paulo, não englobando os estudantes matriculados hoje nas redes municipais. O Programa é financiado com recursos oriundos da alimentação escolar que é de destinação exclusiva a estudantes matriculados na rede estadual de educação

Quem tem direito a receber o benefício: famílias com renda mensal de até R$ 178,00 por pessoa cadastradas no CadÚnico e famílias beneficiárias do Programa Bolsa Família com alunos na rede estadual de São Paulo. Serão R$55,00 mensais pagos por aluno durante o período de suspensão de aulas.

Para receber o benefício, a família precisa apenas baixar o PicPay e se cadastrar no aplicativo. O cadastro deve ser feito pelo(a) Responsável da Unidade Familiar no CadÚnico ou pela pessoa responsável pelo saque do Bolsa Família.

O dinheiro cairá automaticamente na conta dentro dos prazos estabelecidos pelo Governo. Os recursos poderão ser sacados em qualquer caixa da rede 24hrs, em maquininhas de cartão de crédito ou transferidos para a conta corrente do mercado de sua região. Tudo isso sem qualquer taxa.

A COAR ressalta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Escrito por: Marta Alencar

Referências da COAR

Governo de São Paulo

ENGANOSO: Projeto Alimento Solidário dá cesta básica e vale-compras de R$ 50?

Infelizmente, o cenário pandêmico atual tem sido alvo de constantes de boatos e golpes na internet. Um deles é sobre um ENGANOSO CADASTRO no WhatsApp do Projeto Alimento Solidário.

A informação é enganosa

Primeiramente, a COAR alerta que existe sim o Programa Alimento Solidário, benefício do Estado de São Paulo, que entrega uma cesta básica para famílias em situação de extrema vulnerabilidade e contempla as famílias com inscrição no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais), com renda per capita de até R$89.

O programa “Alimento Solidário” é uma iniciativa do Governo de São Paulo, por meio do Fundo Social do Estado. A iniciativa repassa cestas de alimentos para que as prefeituras façam a distribuição dos produtos às famílias inscritas do CadÚnico.

O segundo ponto é que o link disponibilizado na mensagem é enganoso, ou seja, criado por golpistas. O link do programa oficial é outro, mas a COAR revela que apenas o Governo de São Paulo promove o programa e que oferta apenas cestas básicas. O Governo de São Paulo não entrega vale-compra de R$ 50 para os inscritos.

A COAR alerta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Escrito por: Marta Alencar

RENDA FAMILIAR MENSAL: Prefeitura abriu inscrições para programa no valor de R$ 130?

É Golpe! A informação de que a Prefeitura Municipal (sem identificação de qual município se trata) está distribuindo auxílio de R$ 130 para famílias. Uma leitora da COAR enviou o conteúdo e checamos: É mais um conteúdo enganoso e falso divulgado na internet. NÃO EXISTE nenhum cadastro para inscrição em Programa Renda Mensal Familiar de nenhuma prefeitura. A Prefeitura de Arapongas, município no interior do estado do Paraná, desmentiu a informação em seus canais oficiais recentemente. Mas também outras Prefeituras se manifestaram para desmentir o programa: Maricá (RJ), Canoas (RS), São Paulo (SP) etc.

Conteúdo enganoso

A COAR alerta que quem clica e se inscreve neste FALSO CADASTRO repassa dados pessoais, como números do CPF e RG, endereço e telefone para golpistas.

A COAR ressalta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Escrito por: Marta Alencar

Prefeito de Porto Feliz é reeleito por zerar número de óbitos por Covid-19 no município?

Novamente uma informação falsa desmentida no começo deste ano de que a cidade de Porto Feliz, localizado a 100km de São Paulo, possuía o índice de zero óbitos causados pelo novo coronavírus voltou a circular nas redes sociais. O novo conteúdo atrela a vitória do prefeito, Doutor Cássio Prado (PTB), que é médico cirurgião e intensivista, o resultado de zero óbitos de Covid-19 na cidade. A COAR checou a informação e reforça que é falsa.

Informação falsa

O primeiro ponto que a COAR destaca é que o município paulista realmente reelegeu Dr. Cássio Prado com 92, 10% dos votos (25. 318). O candidato derrotou Marola, que ficou em segundo lugar com 5,70% (1.566 votos). O outro ponto é que na mensagem falsa informa que 100% da população foi tratada previamente com ivertmectina. Em junho deste ano, o prefeito chegou a declarar que havia distribuído perto de 1500 “kits” para a população conforme reportagem da Pública em outubro deste ano. Após a publicação da reportagem, a Prefeitura enviou uma nota informando que não há distribuição de Kits no município. “O que existe é um Protocolo de Tratamento Precoce prescrito por médicos em pacientes com sintomas iniciais de Covid-19” – declarou a Prefeitura em nota. No entanto, a COAR alerta que nenhum dos medicamentos que compõem o “coquetel” da Prefeitura de Porto Feliz (SP) tem comprovação científica de eficácia ou chancela da Organização Mundial da Saúde (OMS)

Não há nenhum medicamento que evite o contágio da doença. Quanto à cloroquina e a hidroxicloroquina (que é um derivado da primeira), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ressalta que “estudos conduzidos até o momento têm 1 número de pacientes muito reduzido e ainda é arriscado afirmar que vai funcionar no tratamento da covid-19”. Além disso, a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia e a Sociedade Brasileira de Infectologia já publicaram em comunicados que nenhum desses medicamentos, nem a ivermectina, tem eficácia comprovada contra a doença. Quanto à ivermectina, a Anvisa afirma, em nota, que “as indicações aprovadas são aquelas constantes da bula do medicamento” — nenhuma é para a covid-19.

Terceiro ponto é falso que não houve mortes na cidade por Covid-19. Com base em dois boletins epidemiológicos do município de 13 de novembro, dois dias antes do 1º turno das eleições, havia sim o registro de 15 óbitos em decorrência do vírus. Após a vitória do prefeito, Porto Feliz continua a registrar o mesmo número de óbitos registrados no último dia 24 de novembro, fechamento desta checagem.

A COAR ressalta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Escrito por: Marta Alencar

Referências da COAR:

Boletim Epidemiológico de Porto Feliz

G1

Pública

Poder 360

Empresa chinesa que vendia vacinas falsas contra pólio, tétano e difteria é a mesma produtora da Coronavac, que será testada em 9 mil brasileiros?

Após o anúncio da parceria do Governo de São Paulo com o Instituto Butantã e a empresa chinesa Sinovac Biotech para a realização da terceira fase de testes da chamada Coronavac (vacina feita pela empresa chinesa), que deverá ser testada em 9 mil brasileiros, alguns grupos começaram a tecer ataques e a compartilhar fake news sobre produção de vacinas chinesas.

A COAR analisou a veracidade dessas postagens e concluiu que a notícia se referindo ao portal UOL é verídica. Inclusive, a matéria consta com o título da imagem, a data e o horário: Empresa chinesa vendia vacinas falsas contra pólio, tétano e difteria. Mas além do Uol, o G1 e o site Minha Vida publicaram a informação na época. Em primeira instância convém citar que as notícias relatadas sobre a falsificação das vacinas chinesas são datadas de 2018.

Em 2018, a empresa Changchun Changsheng foi indiciada pelo governo chinês pela fabricação de vacinas para tétano, difteria e poliomielite (paralisia infantil). Com fluídos misturados e expirados de validação e dados de produção falsos. No total, foram 250 mil o número de doses feitas pela Changsheng Life Science que já estavam sendo distribuídas. A empresa foi multada em 9,1 bilhões de yuans (moeda chinesa), aproximadamente R$ 6, 916 bilhões. Em 2019, a organização anunciou falência.

Após essa constatação, a COAR buscou informações sobre a procedência da vacina que será testada no Brasil para a Covid-19. A Sinovac Biotech é uma empresa farmacêutica chinesa que está realizando uma vacina com um método já conhecido, utilizando o vírus inativo para estimular o corpo a combater o invasor. A empresa já possui três décadas no mercado e foi a primeira no mundo em 2009 a obter a licença na comercialização da vacina do H1N1. Em contrapartida, já recebeu denúncias sobre suborno na aprovação de medicamentos em 2014.

Portanto, a empresa não possui ligamento com a Changchun Changsheng, acusada em 2018 de produzir vacinas falsificadas. É claramente perceptível a vinculação dos testes com a falsificação de vacinas em um contexto inapropriado e errôneo. Nesse ponto, a informação relacionando as duas empresas é falsa.

Essas postagens advêm de grupos piauienses, visando atacar o comércio chinês. Inúmeros casos de ineficiência advindos da China já foram desmentidos por agências de fact-checking em todo o Brasil, no intuito de esclarecer e iluminar o que se é verdadeiro num cenário de confusão e caos devido a pandemia.

Escrito por: Isaac Haron

Edição: Marta Alencar

Referências da COAR:

Site Uol

Folha

Sinovac