Pesquisa da Defensoria Pública do Rio de Janeiro sobre vacinação em Duque de Caxias é verdadeira?

A COAR recentemente recebeu uma mensagem que fala de uma pesquisa da Defensoria Pública do Rio de Janeiro, que é acompanhada por um documento — PDF — que diz respeito a uma pesquisa levantada pelo órgão para apurar irregularidades diante das aplicações da segunda dose da vacina contra o novo Coronavírus (Covid-19).

Foto: reprodução/WhatsApp

A COAR entrou em contato com a Defensoria Pública do Rio de Janeiro, que confirmou a autenticidade do documento. “Diante de inúmeras notícias de pessoas que não conseguiram receber a 2ª dose da vacina contra a COVID-19 no município de Duque de Caxias, a Defensoria Pública vem buscar informações mais concretas sobre essas pessoas, a fim de que medidas judiciais possam ser tomadas”, disse o órgão em resposta ao nosso e-mail.

No mais, até o fechamento desta checagem, a Defensoria não forneceu mais informações a respeito da pesquisa em si. Também não encontramos nada referente à mesma nos canais de comunicação — site e redes sociais — da Defensoria Pública e em outros veículos de notícias.

A COAR ressalta que ao receber uma mensagem duvidosa, desconfie e não forneça seus dados antes de ter certeza de que é verdadeira. Qualquer dúvida nos contate pelo nosso WhatsApp (86) 99517-9773 ou pelo Instagram (@coarnoticias).

Escrito por: Kryssyno Oliveira

CAFÉ: Boatos e verdades sobre seus benefícios

Já tomou o seu cafezinho hoje? A COAR é um projeto criado inspirado no café, precisamente em seu processo de filtragem, que lembra o de apuração. O café é a segunda bebida mais consumida no Brasil segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic). O grão é repleto de compostos antioxidantes, vitaminas e minerais que trazem diversos benefícios e pode até mesmo prevenir doenças. No entanto, o café é também alvo constante de boatos na internet. A COAR entrevistou a nutricionista e mestranda do Programa de Pós-graduação de Ciências e Saúde da Universidade Federal do Piauí (UFPI), Ana Rafaela Pereira, para esclarecer esses boatos no Quadro “Saúde sem Desinformação”.

1 – Café faz bem para diabéticos?

Nutricionista: Sim, porém seu uso não se torna obrigatório. Estudos feitos com o café e chá verde demostraram que a cafeína presente em ambos pode auxiliar na prevenção do desenvolvimento da diabetes mellitus tipo 2 (DM2), fazendo com que ocorra a redução do colesterol e glicose em jejum, além de atividade anti-inflamatória e atividade antioxidante. Já em pacientes que possuem DM2, alguns estudos são inconclusivos com a potencial eficácia do café, mas em um deles, onde foi observado 4.923 pacientes, demonstrou que o café e chá verde auxiliaram na redução no número de mortes ocasionadas pelo DM2. Lembrando que paciente diabéticos deve-se ter cuidado ao adoçar as preparações, sendo sempre indicado a procura de um profissional da nutrição para ser orientado no que se deve usar.

2 – Café satura os nutrientes dos outros alimentos?

Nutricionista: O café possui excelentes benefícios para saúde, mas o seu consumo inadequado também nos traz prejuízos. Dentre esses o mais comum é a menor biodisponibilidade do cálcio presente em alguns alimentos, ou seja, o nosso organismo não conseguirá absorver todo o cálcio que consumimos devido a cafeína. Outro exemplo é a menor absorção do ferro presente em carnes. Por isso, o consumo do café deve ser moderado e de preferência que não seja após grandes refeições. Lembrando que a cafeína ela está presente não só no café, como em chás verdes e preto (principalmente o chimarrão), chocolate, refrigerante e bebidas energéticas.

3 – Café pode combater o câncer?

Nutricionista: Sim, mas atenção não adianta sair consumindo litros e mais litros de café! Estudos vem sendo realizados com o ácido cafeico, que é uma substância que pode ser extraída do café, e o mesmo demostra um potencial antioxidante, ou seja, auxilia na prevenção do câncer. Importante lembrar mais uma vez que isso só será realmente eficaz se o indivíduo possuir toda uma alimentação saudável, praticar atividades físicas, não fumar, não consumir bebidas alcoólicas em excesso dentre outros fatores. Informação importante para que já possui câncer e faz tratamento, é conversar com seu médico e nutricionista oncológico para saber se o consumo do café está liberado, pois o ácido cafeico pode diminuir a eficácia da medicação em alguns tratamentos.

4 – Café faz mal para os dentes?

Nutricionista: Deve-se lembrar que o cálcio é importantíssimo para formação dos dentes, e se o indivíduo possui uma grave deficiência desse nutriente e ainda assim faz uso do café, podemos dizer que sim, fará mal. Nos demais casos não há com que se preocupar, claro o café possui uma coloração muito forte e pode auxiliar em partes no escurecimento ou manchas nos dentes, principalmente após determinados tipos de procedimentos dentários. O mais aconselhado é que se converse com seu dentista para saber se em seu caso poderá fazer o consumo livre do café e a temperatura ideal.

5 – Beber café emagrece?

Nutricionista: Não! Não há alimento ou bebida que faça uma pessoa emagrecer por si só, o que há é um conjunto de fatores envolvendo a alimentação no geral e o auxílio de atividade física ideal para cada pessoa. A cafeína em si, utilizada de forma correta, pode auxiliar no processo de reeducação alimentar para perca de peso, trazendo os seus variados benefícios discutidos anteriormente. Algumas pessoas fazem seu uso por ser energético e assim obter um melhor rendimento no treino, mas isso varia muito de pessoa para pessoa e o mais aconselhado é buscar um profissional da nutrição para que se tenha uma prescrição correta e saudável.

Escrito por: Ana Rafaela Pereira e Marta Alencar

REFERÊNCIAS CIENTÍFICAS DA COAR:

ALKHATIB A, TSANG C, TISS A, BAHORUN T, AREFANIAN H, BARAKE R, KHADIR A, TUOMILEHTO J. Functional Foods and Lifestyle Approaches for Diabetes Prevention and Management. Nutrients. 2017 Dec 1;9(12):1310.

CORNELIS MC, MUNAFO MR. Mendelian Randomization Studies of Coffee and Caffeine Consumption. Nutrients. 2018 Sep 20;10(10):1343.

FERNANDES, Elenise Stuker et al. O consumo de cafeína e de cálcio por idosas institucionalizadas. Disciplinarum Scientia| Saúde, v. 9, n. 1, p. 89-99, 2008.

KOMORITA Y, IWASE M, FUJII H, OHKUMA T, IDE H, JODAI-KITAMURA T, YOSHINARI M, OKU Y, HIGASHI T, NAKAMURA U, KITAZONO T. Additive effects of green tea and coffee on all-cause mortality in patients with type 2 diabetes mellitus: the Fukuoka Diabetes Registry. BMJ Open Diabetes Res Care. 2020 Oct;8(1):e001252.

LANZILLOTTI, Haydée Serrão et al. Instrument to evaluate the combination of foods to make iron more bioavailable in the diet. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 12, p. 4107-4118, 2018.

SEMIZ S, SERDAREVIC F. Prevention and Management of Type 2 Diabetes and Metabolic Syndrome in the Time of COVID-19: Should We Add a Cup of Coffee? Front Nutr. 2020 Oct 6;7:581680.

Anvisa bloqueou uso corporativo da Zoom?

Por: Leonardo Lima

Usuários da ferramenta de videoconferência Zoom começaram a se sentir inseguros depois da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) relatar na segunda-feira (6), que bloqueou o uso interno da plataforma por encontrar falhas graves de segurança que expõem dados de seus usuários.

Segundo investigação da COAR, a medida é verdadeira e foi comunicada em nota pela própria Anvisa. Que respaldou a decisão pelo fato de sua equipe de T.I (Tecnologia da Informação) participar de diversos sites especializados em segurança cibernética do mundo todo, a fim de se manter atualizada sobre os principais acontecimentos da área de segurança e sobre os alertas de vulnerabilidade em ferramentas largamente utilizadas.

Contudo, como descrito pela equipe de T.I da Anvisa, nesses sites especializados foram encontrados indícios que apontam vulnerabilidades na plataforma Zoom que, se exploradas por hackers, dão acesso à câmera e ao microfone dos usuários, permitindo o roubo de credenciais e de informações trocadas em reuniões.

As falhas foram reconhecidas pelo próprio diretor executivo do Zoom, Eric Yuan, que informou que sua equipe vem trabalhando para corrigir tais problemas de segurança.

A Anvisa também, decidiu por fazer uso massivo de outra plataforma corporativa, que já possuía há mais de um ano e que tem a mesma funcionalidade, o Microsoft Teams. E, de acordo com suas avaliações vem demonstrando ser uma ferramenta estável e com alto grau de disponibilidade e segurança.   

CAIXA já liberou cadastro para solicitação do Auxílio Emergencial?

Por: Leonardo Lima

Dessa vez não se trata de sites maliciosos ou golpistas, a COAR apurou e de fato o cadastro para recebimento do Auxílio Emergencial passou a valer. A CAIXA, que será o banco responsável pelos pagamentos, disponibilizou vários canais de solicitação do benefício, sendo o site e app para iOS e Android.

Foto: Leonardo Sá/ Agência Senado

Esses canais disponibilizados serão para as pessoas que se encaixam nos requisitos necessários e que não estejam cadastradas no CadÚnico (Cadastro Único), base de dados do governo para programas sociais.

O benefício que corresponde ao valor de R$ 600,00 será pago no período de três meses, podendo ser prorrogado diante a necessidade. Poderá ser pago a até duas pessoas da mesma família; em famílias que a mulher seja a responsável pelo sustento da casa, a cota dobra para R$ 1.200,00.

Requisitos Necessários

  • Ser maior de 18 anos;
  • Não possuir trabalho formal, com carteira assinada;
  • Não ser beneficiário de outro programa social, com exceção do Bolsa Família;
  • Ter renda familiar mensal por pessoa de até R$ 522,50 ou renda familiar mensal total de até R$ 3.135,00;
  • Não ter rendimentos tributáveis, registrados no ano de 2018, acima de R$ 28.559,70;
  • Exercer atividade como microempreendedor individual (MEI) ou ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral da Previdência Social (RGPS) ou trabalhador informal inscrito no Cadastro Único;
  • Ter cumprido o requisito de renda média até 20 de março de 2020.

VERDADEIRO: Pedido de empréstimo do Governo do Piauí de R$ 1 bilhão junto ao Banco do Brasil

Apesar da informação ter circulado em vários portais locais sobre o Projeto de Lei Ordinária (PLO) 07/2020 que trata sobre a obtenção de empréstimo de até R$ 1 bilhão pelo Governo do Piauí junto ao Banco do Brasil com o aval, bem como do Projeto de Lei Ordinária (PLO) 08/2020 que dispõe sobre a realização de operação de crédito com o Banco Regional de Brasília (BRB) no valor de R$ 83 milhões, alguns leitores da COAR questionaram a veracidade da informação. Apesar das dúvidas, a informação é autêntica.

Ontem (6), a Assembleia Legislativa realizou, durante sessão virtual, a leitura de Projetos de Lei do Executivo. Na leitura, foi enfatizado a proposta do governador Wellington Dias (PT) de utilizar os recursos  para investimentos nas áreas da saúde, segurança e infraestrutura básica, incluindo no combate aos efeitos da pandemia do coronavírus no Piauí.

Também, foi lido o Projeto de Lei Ordinária 09/2020 que trata de um aditivo de até 100 milhões de dólares a empréstimo obtido pelo Governo do Estado junto ao BIRD (Banco Interamericano de Reconstrução e Desenvolvimento). Após a leitura, os Projetos de Lei serão analisados pelas comissões técnicas da Assembleia Legislativa, incluindo as Comissões de Constituição e Justiça e de Fiscalização e Controle, Finanças e Tributação. A votação em plenário somente ocorrerá após a Semana Santa.

Muitos críticos questionam justamente os valores de empréstimos defendidos pelo governador Wellington Dias, já que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), solicita um empréstimo de US$ 100 milhões (valor que supera R$ 500 milhões) ao Banco Mundial para estruturar ações de combate ao coronavírus.

No caso, Doria afirma que os recursos serão destinados para construção de novos leitos de UTI e compra de testes, já que o governo projeta 220 mil casos em São Paulo. Enquanto no Piauí não há projeções de casos. Embora, em várias entrevistas, o governador Wellington Dias ressalte que o Estado possa ter mais casos de pessoas infectadas com coronavírus do que o número de casos confirmados pela Secretaria de Saúde do Piauí (Sesapi). 

Escrito por: Marta Alencar